top of page

Trabalhos

2022

A mais recente criação do Grupo de Rua capta o clima político volátil do Brasil, canalizando as suas intensas contradições e conflitos sociais

A mais recente criação do Grupo de Rua capta o clima político volátil do Brasil, canalizando as suas intensas contradições e conflitos sociais

2017

Uma peça sobre migração e identidade. Ao reconsiderar as fronteiras físicas e metafóricas, desafia as ideias de nacionalidade em um mundo em constante movimento.

Uma peça sobre migração e identidade. Ao reconsiderar as fronteiras físicas e metafóricas, desafia as ideias de nacionalidade em um mundo em constante movimento.

2013

Inspirada em extractos recolhidos da Internet, a obra questiona a autoria, a cópia e a originalidade nos modos de produção da era digital.

Inspirada em extractos recolhidos da Internet, a obra questiona a autoria, a cópia e a originalidade nos modos de produção da era digital.

2008

Espetáculo vencedor do Bessie Awards, sobre transcender o hip-hop típico através de uma exploração delicada e reflexiva em busca de conexão humana e vulnerabilidade.

Espetáculo vencedor do Bessie Awards, sobre transcender o hip-hop típico através de uma exploração delicada e reflexiva em busca de conexão humana e vulnerabilidade.

2005

Em palco, 14 bailarinos de todo o Brasil investigam técnicas tradicionais como o top rock e quebram convenções de género e espaço.

Em palco, 14 bailarinos de todo o Brasil investigam técnicas tradicionais como o top rock e quebram convenções de género e espaço.

2003

Nesta peça, o Grupo de Rua lança um olhar crítico sobre a forma como a televisão molda e influencia a nossa perceção da realidade.

Nesta peça, o Grupo de Rua lança um olhar crítico sobre a forma como a televisão molda e influencia a nossa perceção da realidade.

2002

Através de uma ironia sutil, a peça desconstrói e celebra a semiótica do hip hop, num tutorial pós-moderno sob a forma de uma enciclopédia tridimensional.

Através de uma ironia sutil, a peça desconstrói e celebra a semiótica do hip hop, num tutorial pós-moderno sob a forma de uma enciclopédia tridimensional.

2001

Com o bailarino Eduardo Hermanson, o público participa numa viagem mental íntima, numa coreografia que reflecte sobre Deus, a existência e o chá de cogumelos.

Com o bailarino Eduardo Hermanson, o público participa numa viagem mental íntima, numa coreografia que reflecte sobre Deus, a existência e o chá de cogumelos.

2001

O primeiro trabalho em que o Grupo de Rua problematiza o seu próprio hip hop. Utiliza o silêncio e a repetição para questionar as convenções da performance.

O primeiro trabalho em que o Grupo de Rua problematiza o seu próprio hip hop. Utiliza o silêncio e a repetição para questionar as convenções da performance.

1998

1998

1997

Add a Title

bottom of page