top of page

Bruno Beltrão é um jovem artista brasileiro. Em seus trabalhos, ele brinca habilmente com as expectativas do público. Não está interessado em demonstrar um alcance acrobático perigoso, ele tenta redirecionar a dança de rua para a linguagem artística. Começou sua carreira como dançarino de hip-hop aos treze anos de idade em sua cidade natal, Niterói, um subúrbio do Rio de Janeiro. Aos dezesseis anos, fundou sua própria companhia e, aos vinte, voltou-se para a dança contemporânea. 

    Beltrão usa hip-hop, vídeo, e uma pitada de caos controlado para fazer a plateia questionar tudo que é dito, feito, e dançado.

Afinal, como em uma boa conversa entre amigos que se perdem no papo, "Telesquat" é sobre encontrar sentido onde menos se espera — ou não encontrar sentido nenhum e estar tudo bem com isso.

E entre um passo de dança e uma legenda projetada, o que se faz é nos lembrar que a arte às vezes é só um espelho meio embaçado onde a gente tenta se ver melhor.

CONCEPÇAO E DIREÇAO ARTISTICA

ASSISTENTE DE DIREÇAO E ENSAIADORA


ILUMINAÇAO 

BAILARINOS

BRUNO BELTRÃO​

GABRIELA MONNERAT

RENATO MACHADO

EDUARDO HERMANSON

EDUARDO REIS 

GHEL NIKAIDO

ALEXANDRE DE LIMA 

UGO ALEXANDRE

GRUPO

A sensação do festival foi Telesquat. É verdade que utilizam o hiphop como linguagem de movimento, mas o hiphop é apenas o ponto de partida para uma formidável explosão de linguagem e imagens. Quatro homens alinham-se, imóveis, ou executam um simples gesto numa praça. As legendas descrevem o gesto, enquanto um comentador interpreta exatamente o que os homens estão a fazer. Parecem ter múltiplas identidades, demonstrando uma dança de pinguins ou indo para a guerra com extraterrestres. A fantasia, os códigos de dança altamente complexos e a linguagem falada e escrita fundem-se aqui num caos extremamente emaranhado. Por várias vezes ouvimos "Ele quer dizer alguma coisa": é precisamente este o problema, no meio desta superabundância de informação.

Quando os espectadores são questionados sobre a sua experiência, as leituras são simultaneamente pessoais e disparatadas. Desta forma, as simples fantasias sobre o hiphop como linguagem universal e compreensão global são minadas. Telesquat acaba por ser uma espécie de jogo de vídeo muito violento e beligerante, digamos no nível 10, em que as regras, os níveis de linguagem e as quantidades de informação ficam fora de controlo. Resta apenas o excesso e os homens que desejam esse excesso.

Festival international de dança Klapstuk #11 em Louvain
De Morgen 
9 Oct 2003 • French

Uma performance que ofereceu puro prazer visual de uma forma intrigante, mas que abordou abertamente questões conceituais, foi "Telesquat" do Grupo de Rua de Niterói do coreógrafo brasileiro Bruno Beltrão. A dança de Beltrão baseia-se na "dança de rua" mas, como demonstrou numa pequena mostra, pode utilizá-la para criar imagens coreográficas pungentes. O mesmo acontece em "Telesquat". A partir de uma simples apresentação dos quatro intérpretes, desenvolve-se uma ação à qual se acrescentam cada vez mais camadas de significado, sobretudo quando os quatro bailarinos estão simultaneamente presentes em ecrãs de vídeo e ao vivo. Aqui, Beltrão explora o impacto da cultura televisiva e dos jogos de vídeo na realidade psicológica dos jovens. No entanto, não o faz de forma alegórica ou pedante, mas numa forma que gradualmente se assemelha cada vez mais a uma festa em casa. A análise e a perceção entram aqui num curioso casamento. 

Pieter T'Jonck

Kunstenfestivaldesarts: de antenne van de wereld

De Morgen • 

7 May 2008 • Dutch

bottom of page