top of page

O valor de mercado do ser humano


Transfusão de hip-hop: o 15º Tanzfest Berlin começa bem com o DV8 de Lloyd Newson e o jovem astro brasileiro Bruno Beltrão


Popping, new jack swing, funk brasileiro, pop, top rock: o coreógrafo Bruno Beltrão e seu Grupo de Rua de Niterói dão aulas de hip hop - mas também muito mais do que isso.


Por Sylvia Staude


Já estava na hora. E é realmente surpreendente que tenha levado tanto tempo para que alguém aparecesse e injetasse na corrente sanguínea da dança artística o estilo de dança mais inovador, diversificado e idiossincrático que se desenvolveu nas últimas décadas - a partir de exibições públicas, do desejo juvenil de se movimentar e do tédio dos subúrbios monótonos. Bruno Beltrão tem apenas vinte e poucos anos, vem do Brasil e agora está chamando a atenção no cenário da dança europeia com suas peças de dança que refletem e brincam com o hip hop.


Por exemplo, no fim de semana de abertura do 15º Tanzfest Berlin, que teve um forte início com a jovem estrela Beltrão e o "velho mestre" Lloyd Newson e seu grupo DV8 Physical Theatre. Nele Hertling, a diretora que está saindo do Hebbel Theatre e ex-fundadora do "Tanz im August", é responsável por esse festival mais uma vez (com a equipe do Tanz Werkstatt Berlin) antes de passar as rédeas para seu sucessor Matthias Lilienthal em setembro, que vem do teatro falado como o antigo dramaturgo de Christoph Marthaler. Entretanto, Bettina Masuch, que recentemente trabalhou com Meg Stuart em Zurique e já foi citada como tendo dito: "Acho que não há dança suficiente em Berlim", já foi nomeada diretora de dança.


Isso certamente não se aplica aos dias que antecedem 31 de agosto, quando termina o 15º Tanzfest. E um bom equilíbrio também parece ter sido encontrado este ano: Por um lado, há produções de coreógrafos consagrados, como Lloyd Newson, Édouard Lock (LaLaLa Human Steps) e Wim Vandekeybus (Ultima Vez). No outro, grupos e artistas de Bucareste, Nairóbi, Geórgia e Cabo Verde.


E do Brasil, onde Bruno Beltrão venceu competições de breakdance aos 13 anos, teve sua própria companhia aos 16 anos e ousou apresentar uma peça de hip-hop sem música (!) aos 21 anos, embora um hip-hopper normalmente nunca seja encontrado sem seu boombox. Três de suas coreografias podem ser vistas agora no Theater am Halleschen Ufer; e a noite começou, de forma inteligente, com Too legit to quit (também o título de um álbum do rapper MC Hammer), uma pequena aula sobre hip hop e seus rituais.


Os cinco dançarinos se sentam no chão atrás de grandes placas com seus nomes próprios e os nomes de seus respectivos artistas, olham para a plateia e, por fim, colocam a placa com seu nome próprio de lado e tocam em "Round 1", como uma placa também informa à plateia. Um deles está vestido pela primeira vez - equipado, pode-se dizer; o que, por sua vez, é acompanhado por sinais de texto que dizem "Proteção" ou "Estilo", por exemplo, mas também algo tão intrigante quanto "Humilhar".


Placas como "Humilhar" ou = simplesmente "Eu". Em seguida, começa a aula propriamente dita: as variações do hip-hop são demonstradas e rotuladas com a etiqueta apropriada: "Locking", por exemplo, o congelamento brusco em poses, "Footwork", que significa um trabalho de pés particularmente rápido e intrincado, o expansivo "Power Move" ou o imediatamente óbvio "Charm", movimentos suaves que terminam com um aperto convidativo nas partes íntimas.


O hip hop é uma dança altamente artística e machista, e não é à toa que seus campeões são determinados em "batalhas", mas Beltrão pega suas cerimônias e poses superlegais, às vezes militares, isola-as, exibe-as em toda a sua artificialidade e as envolve com uma forma rigorosa, trabalhando fortemente com pausas, blackouts e foco de luz. Ele também ironiza essa dança, é engraçado sem expor seus dançarinos. Ele também consegue, por exemplo, no solo Me and My Choreographer, em 63, dançado por Eduardo Hermanon, individualizar o vocabulário de movimentos altamente regulamentado, abrindo-o para a personalidade de um dançarino em particular. O conjunto estilístico apresentado no início é claramente afrouxado aqui, a dança se desenvolve principalmente a partir de certas regiões do corpo, como os braços. E Hermanson dança em silêncio enquanto o público, por meio de fones de ouvido, é brindado com um diálogo descontroladamente sinuoso sobre Deus, o mundo e o "chá de cogumelo", que foi conduzido e gravado em um quarto de hotel com o número 63 entre o dançarino e o coreógrafo.


Lloyd Newson e seu conjunto de 14 membros também trazem Deus e o mundo e muitas lembranças para a peça The Cost Of Living, com aproximadamente uma hora e meia de duração. Em meados da década de 1980, o australiano fez seu nome com peças de dança que eram tão intensas quanto políticas, centradas nos temas da Aids, da homossexualidade e da violência doméstica.


Comentarios


bottom of page